Música, literatura, poesia, idéias, arte, batera, percussão e porrada, se precisar!

"Como sabe que sou louca?", indagou Alice.
"Deve ser", disse o gato,
"ou não teria vindo aqui".
(Alice no País das Maravilhas)


terça-feira, 24 de julho de 2007

Os Grandes do Tambor VI - Robertinho Silva


Com vocês, o cara que rompeu as barreiras da compreensão percussiva!! Robertinho Silva!!
Robertinho Silva nasceu no Rio de Janeiro no dia primeiro de junho de 1941. O percussionista e baterista Robertinho, além de tocar quase tudo, é um dos músicos mais cosmopolitas que se conhece, em se falando daqueles que vieram depois da geração Jobim/Gilberto. Possui um toque muito forte, dando um ritmo poderoso por detrás de uma variedade de tambores e de exóticos instrumentos de percussão brasileiros.

Entre suas maiores influências americanas estão Art Blakey e Tony Williams, e do lado brasileiro estão Dom Um Romão e Edson Machado. Depois de fazer sua estréia em disco tocando com o cantor Cauby Peixoto, Silva criou reconhecimento como um dos melhores bateristas brasileiros, tocando e gravando com celebridades como Antonio Carlos Jobim, Airto Moreira, Wagner Tiso, Dori Caymmi e Gilberto Gil. Acrescenta-se aqui o longo trabalho que realizou com o cantor e compositor Milton Nascimento, desde 1969, inclusive o disco "Native Dancer" que Milton gravou em colaboração com Wayne Shorter.

Participante do tropicalismo, Silva foi co-fundador do Som Imaginário, junto com o tecladista Wagner Tiso, 1970. Em 1981 lançou seu primeiro disco, pela série MPBC “Música Popular Brasileira Contemporânea”, pela Philips; em 1984 “Bateria” pelo selo Carmo; em 1991 “Bodas de Prata” pela Sony Music”, relançado no Japão em 91 e em 95 nos EUA com o título “Speak no Evil” dedicado ao saxofonista Wayne Shorter e “Shot on goal” pelo selo Miles Stone (Fantasy) em 1995. Os dois discos mais recentes são “Jaquedu” com Ney Conceição em 2000, e “Mixtura Brasileira” com Alexandre Birkett em 2002. Hoje participa dos projetos Batucajé e LaskaMão.
Atualmente dedica-se à carreira solo.
Abaixo, alguns exemplos do poder do homem...
Robertinho Silva (1981):
Bateria (1984)
Triângulo (1985)
Perigo de Gol (1995):

Um comentário:

Marcos disse...

arruma os links ae poo